Hanna Arendt e a “Crise na Educação” – reflexões muito atuais

Hanna Arendt foi uma filósofa em sua essência. Seus pensamentos percorreram áreas as mais diversas dentro do espectro complexo do ser humano em si e em suas relações com o mundo. Em seu livro “Between past em future” apresenta um artigo sobre a crise na educação. A primeira edição do livro é de 1961. IncrívelContinuar lendo “Hanna Arendt e a “Crise na Educação” – reflexões muito atuais”

O lápis de ponta e a máquina de escrever e como mudam as formas criativas

Na coluna do Ruy Castro há dois dias na Folha de SP: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/111590-o-lapis-de-ponta-perfeita.shtml ele falou como ainda hoje se pode viver de apontar os lápis grafite. Várias profissões ainda o utilizam e consideram importante tê-los apontados. Contou a história de um profissional apontador americano. Deu como exemplo de quem os utiliza por aqui o HelioContinuar lendo “O lápis de ponta e a máquina de escrever e como mudam as formas criativas”

Educação em debate no pós-carnaval

Esta semana dois artigos interessantes propuseram o debate sobre questões atuais da educação brasileira. O primeiro publicado por Luiz Guilherme Piva em Tendências/debates da Folha de SP na quarta, dia 13, onde aponta duas questões, a primeira em torno da progressão continuada no âmbito do ensino básico e, a segunda, a proliferação de instituições deContinuar lendo “Educação em debate no pós-carnaval”

9 1/2 semanas de amor, 50 tons de cinza e coluna de Ruy Castro na Folha de SP “ejaculação precoce”

Desde que apareceram pela primeira vez as críticas e resenhas sobre o livro “cinquenta tons de cinza”, ora uma trilogia, ficou visível a relação quase direta com o filme “9 1/2 semanas de amor”, agora um cult dos anos 80, este sim um conteúdo erótico que evolui de paixão romântica à relação destrutiva repleta deContinuar lendo “9 1/2 semanas de amor, 50 tons de cinza e coluna de Ruy Castro na Folha de SP “ejaculação precoce””

A criatividade como desafio na conectividade do mundo pós-moderno

As massas impelem, as empresas investem alto em campanhas de marketing, as “tribos” preconizam, a hierarquia empresarial impõe, o consumo desenfreado estimula: permaneçam conectados, ligados às telas, respondam às mensagens, twittes, e-mails, discussões em grupo etc. em tempo real, em minutos, chega a ser uma etiqueta da rede. Será possível criar neste ambiente? Pensar, organizarContinuar lendo “A criatividade como desafio na conectividade do mundo pós-moderno”

Inconsciente e Responsabilidade – o caso Eloá

Saiu hoje na Folha de SP que a advogada do rapaz que assassinou a ex-namorada Eloá o instruiu a alegar ter atirado sem pensar. Naquele momento do impulso ele não pensou. Foi o inconsciente que agiu. O inconsciente como desculpa a não assumir responsabilidade é utilizado com frequência em diversas esferas nas relações humanas. AContinuar lendo “Inconsciente e Responsabilidade – o caso Eloá”

SOPA, PIPA, Apple e Luiza

A semana que passou foi recheada de notícias do mundo digital. Os projetos que tramitam no congresso americano contendo regras antipirataria mais rigorosas para sites americanos que divulgassem, permitissem acesso ou efetuassem transações com sites de outros países que praticam pirataria online, seriam responsabilizados. Dentro dos EUA já há leis regulando a pirataria interna. OsContinuar lendo “SOPA, PIPA, Apple e Luiza”

Como medir habitos de leitura por meio do consumo e dos programas da TV

Lendo o artigo do Claudio de Moura Castro na última edição da revista Veja lembrei-me de uma triste constatação recente ao assistir de relance na academia a um programa da Ana Maria Braga onde ela desafiou a si propria e mais dois telespectadores a ficarem “desplugados” por 24h. No artigo do Claudio ele descreve comoContinuar lendo “Como medir habitos de leitura por meio do consumo e dos programas da TV”

Religião para ateus por Alain de Botton

Ontem tive o privilégio de participar da palestra de Alain de Botton, realizada pelo Fronteiras do Pensamento na Sala São Paulo. Fui a convite de Jorge Forbes ao qual sou muito grata. Já admirava Alain desde que havia lido no ano 2000 “Consolations of philosophy”. De lá para cá e antes disto ele teve váriosContinuar lendo “Religião para ateus por Alain de Botton”

Excesso de livros publicados ou falta de leitores

Em tempos de pós-feira de livros de Frankfurt muito foi dito sobre o excesso de livros sendo editados no Brasil e a dificuldade em escoar esta produção face ao número limitado de livrarias no Brasil. Se, por um lado, somos um país com poucas livrarias (por exemplo na favela de Paraisópolis não há nenhuma, masContinuar lendo “Excesso de livros publicados ou falta de leitores”