Hanna Arendt e a “Crise na Educação” – reflexões muito atuais

Hanna Arendt foi uma filósofa em sua essência. Seus pensamentos percorreram áreas as mais diversas dentro do espectro complexo do ser humano em si e em suas relações com o mundo. Em seu livro “Between past em future” apresenta um artigo sobre a crise na educação. A primeira edição do livro é de 1961. IncrívelContinuar lendo “Hanna Arendt e a “Crise na Educação” – reflexões muito atuais”

Quem tem medo do Lobo Mau!

Quem tem crianças na faixa dos 3 anos de idade talvez reconheça neste texto algo familiar. Ninguém ensina aos pais como lidar com os monstros, aqueles que até são bonitinhos, mas assustam do Monstros SA, o lobo mau da Chapeuzinho vermelho, a raposa escondida da Dora, a bruxa dos contos de fadas, madrastas más eContinuar lendo “Quem tem medo do Lobo Mau!”

O lápis de ponta e a máquina de escrever e como mudam as formas criativas

Na coluna do Ruy Castro há dois dias na Folha de SP: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/111590-o-lapis-de-ponta-perfeita.shtml ele falou como ainda hoje se pode viver de apontar os lápis grafite. Várias profissões ainda o utilizam e consideram importante tê-los apontados. Contou a história de um profissional apontador americano. Deu como exemplo de quem os utiliza por aqui o HelioContinuar lendo “O lápis de ponta e a máquina de escrever e como mudam as formas criativas”

A mãe e a culpa

Imagino que toda mãe deva ter sentimento de culpa vez por outra ao deixar seus filhos para trabalhar, ter um momento seu, nos momentos de lazer e também para se permitir namorar o pai destes mesmos filhos. Hoje para mim foi muito emblemático. Por uma hora ficaria longe da minha família para praticar um esporteContinuar lendo “A mãe e a culpa”

Educação em debate no pós-carnaval

Esta semana dois artigos interessantes propuseram o debate sobre questões atuais da educação brasileira. O primeiro publicado por Luiz Guilherme Piva em Tendências/debates da Folha de SP na quarta, dia 13, onde aponta duas questões, a primeira em torno da progressão continuada no âmbito do ensino básico e, a segunda, a proliferação de instituições deContinuar lendo “Educação em debate no pós-carnaval”

Para descobrir o prazer de estudar e não parar de aprender…

Há inúmeros exemplos de pessoas que decidem voltar a estudar depois de há muito terem deixado os bancos escolares, quaisquer que sejam eles. Mesmo que ainda sejam uma minoria são pessoas que adquirem coragem e perdem a vergonha de sofrerem qualquer constrangimento pela idade, pela mudança de área, por começar de novo, por reaprender. MuitosContinuar lendo “Para descobrir o prazer de estudar e não parar de aprender…”

9 1/2 semanas de amor, 50 tons de cinza e coluna de Ruy Castro na Folha de SP “ejaculação precoce”

Desde que apareceram pela primeira vez as críticas e resenhas sobre o livro “cinquenta tons de cinza”, ora uma trilogia, ficou visível a relação quase direta com o filme “9 1/2 semanas de amor”, agora um cult dos anos 80, este sim um conteúdo erótico que evolui de paixão romântica à relação destrutiva repleta deContinuar lendo “9 1/2 semanas de amor, 50 tons de cinza e coluna de Ruy Castro na Folha de SP “ejaculação precoce””

A guerra do sushi e o sentimento de indignação

Os mais sábios aconselham a preocupar-nos apenas com o que podemos mudar. De que adianta criticar o mundo, a política, as guerras e outras mazelas se na maioria das vezes não podemos fazer nada a respeito? Difícil seguir este conselho. Ao ler hoje o artigo do caderno Ilustríssima da Folha de SP, que fornece umContinuar lendo “A guerra do sushi e o sentimento de indignação”

A criatividade como desafio na conectividade do mundo pós-moderno

As massas impelem, as empresas investem alto em campanhas de marketing, as “tribos” preconizam, a hierarquia empresarial impõe, o consumo desenfreado estimula: permaneçam conectados, ligados às telas, respondam às mensagens, twittes, e-mails, discussões em grupo etc. em tempo real, em minutos, chega a ser uma etiqueta da rede. Será possível criar neste ambiente? Pensar, organizarContinuar lendo “A criatividade como desafio na conectividade do mundo pós-moderno”

Inconsciente e Responsabilidade – o caso Eloá

Saiu hoje na Folha de SP que a advogada do rapaz que assassinou a ex-namorada Eloá o instruiu a alegar ter atirado sem pensar. Naquele momento do impulso ele não pensou. Foi o inconsciente que agiu. O inconsciente como desculpa a não assumir responsabilidade é utilizado com frequência em diversas esferas nas relações humanas. AContinuar lendo “Inconsciente e Responsabilidade – o caso Eloá”