As empregadas domésticas, entre a profissionalização e a informalidade

Coincidentente, nos últimos dias alguns artigos sobre o assunto chamaram a atenção. Insiro os links a seguir para que possam ler.

O que nenhum deles aborda é o quão ainda é informal este mercado. Neste momento estou procurando uma pessoa para substituir uma funcionária que ficou na minha casa por 8 anos. Quando chegou nunca havia trabalhado (emigrou da roça do Paraná, abandonada pelo marido alcóolatra, com seus 3 filhos pequenos. Em São Paulo foi morar próxima aos irmãos que não a ajudaram). Aprendeu a fazer de tudo. Estudou, criou os filhos, realizou alguns sonhos de consumo. Só não conseguiu poupar apesar da nossa insistência e incentivo. Recentemente, por problemas pessoais, dentre eles, a mãe doente e um homem que conheceu e foi morar na casa dela ordenando-a a não trabalhar mais, acabou pedindo demissão. Tenho feito diversas entrevistas, por meio de agências ou indicações e posso dizer que me assusta o fato de 90% delas não possuir registro em carteira. o que tornam as estatísticas apresentadas no artigo de Samuel Pêssoa subestimadas. É comum também em salões de beleza conceituados em São Paulo, inclusive grandes redes, as manicures não terem registro em carteira e nem tão pouco seguro-saúde. Se adoecem ou têem filhos ficam sem remuneração. O que será que falta? Talvez maior fiscalização e também consciência destas trabalhadoras para que exijam no mínimo serem registradas.

Vamos chegar ao dia em que será inviável ter funcionárias domésticas, mas o que acontece hoje é que muitas se aproveitam do fato de que há toda uma geração de mulheres que nunca foram para a cozinha, nem lavaram banheiro ou lavaram e passaram suas próprias roupas, o que dirá administrar uma casa, fazer compras ou cuidar dos filhos. Pensar que é possível “terceirizar” estas funções é querer ser enganada. Só pode ensinar quem saber fazer. Só pode pedir ou orientar quem já faz ou se incumbiu das mesmas funções. Quando o assunto são filhos é mais delicado ainda, pois o risco de deixar os filhos a cargo de estranhos a maior parte do tempo é deixar de viver a maternidade/paternidade com todas suas alegrias e agruras, mesmo que ao final do dia somadas às horas de trabalho estejamos exaustos.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/90364-nossos-filhos-sem-domesticas.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/90778-o-emprego-domestico-no-brasil.shtml

http://www.forbes.com/sites/kenrapoza/2013/01/22/brazils-poor-middle-class-and-the-poor-that-no-longer-serve-them/

Publicado por daniman66

Conselheira de Administração pelo IBGC com formação em engenharia Mecânica Aeronáutica e Mestre em Educação, além de especialista em gestão empresarial, planejamento estratégico e marketing interativo. Sustainability Management pela University of Cambridge. Climate Reality Leader (The Climate Reality Project, fundação do Ex-presidente Al Gore). ESG advocate. GRI Certified Training Center (Bridge3). Nos últimos 20 anos atuou como Vice-Presidente executiva e sócia na Manole Conteúdo. Diretora da Associação Brasileira de Direitos Reprográficos (ABDR), Membro do conselho curador da Fundação Sociedade Brasileira de Pediatria (FSBP), Membro dos comitês: Empresas Familiares do IBGC, Meio Ambiente e Energia e de Propriedade Intelectual do ICC (Bridge3). Membro do WCD, Membro do GRI, Membro do IBGC, Membro do ICC (Bridge3).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: